Prefeitura marechal
busque por título

Blog do Popa

23/11/2021 às 16:51

DEPOIS DA COVID-19, ALEXANDRE AYRES VAI PARA O PALANQUE EM 2022

 
O governador Renan Filho ainda vive o dilema de deixar ou não o governo no começo de abril do próximo ano para disputar as eleições.

Alguns dos seus secretários, no entanto, parecem decididos a passar pelo teste das urnas. A maioria com experiência em disputa eleitoral.

Na atual equipe de governo, vão disputar mandatos mais uma vez – provavelmente de federal e estadual – os secretários Alfredo Gaspar de Mendonça (Segurança), Fabiana Pessoa (Seades), Fernando Pereira (Seamrh), Kelmann Vieira (Seprev), Marcius Beltrão (Sedetur), Maurício Quintella (Infraestrutura) e Arthur Albuquerque (SETE).

No time dos “estreantes” aparecem ao menos três secretários, que devem tentar mandatos proporcionais – mas não estão fora de possíveis composições majoritárias: Maria José da Silva (SEMUDH), Rafael Brito (Educação) e Alexandre Ayres (Saúde).

Definindo

Que o secretário de Saúde de Alagoas tinha planos políticos e eleitorais para 2022, não havia dúvidas. As especulações, no entanto, se davam em torno do cargo que ele pretende disputar. Se davam. Alexandre Ayres revelou a aliados o desejo de concorrer a uma vaga de deputado estadual.

Depois de passar os últimos 18 meses liderando o enfrentamento à pandemia em Alagoas, Alexandre tem trabalhado para “virar a chave” na Saúde.

Na última semana, o Hospital Regional do Norte – antes exclusivo para tratamento da Covid-19, passou a atender todos os tipos de pacientes, inclusive com realização de cirurgias eletivas. Mudança que já aconteceu em outras unidades do Estado – a exemplo do Metropolitano – e uma sinalização do arrefecimento da pandemia por aqui.

Com o enfrentamento da Covid “sob controle”, o secretário parece disposto a se dedicar mais à política.

Ayres deve apostar no voto de opinião em grandes centros, a exemplo de Maceió em função da visibilidade que ganhou no combate à pandemia. Também deve contar com apoio de lideranças políticas, na capital e interior. Mas essa é outra história. 






Com o Blog do Edvaldo Júnior 

Deixe seu comentário

0 comentários