Candidato Digital
busque por título

Brasil/Mundo

Awebic

11/06/2018 às 09:45

Adeus ao desperdício: empresário de Goiânia cria geladeira solidária para moradores de rua

 

(Créditos de imagem: Divulgação)

A ideia já não é novidade em alguns países da Europa e até em uma cidadezinha da Arábia Saudita, mas o que ela representa é altamente gratificante: um passo – pequeno, mas ainda assim muito significativo – em direção à conscientização do quanto de comida desperdiçamos diariamente.

Geladeira solidária

O empresário goiano Fernando Barcelos criou o Projeto Geladeira Solidária e a instalou na calçada de seu comércio, na Rua Sete, localizada no centro de Goiânia.

Em entrevista ao G1, o empresário conta como teve a ideia: “Estava saindo do trabalho e vi uma mulher com um recém-nascido pedindo comida. Eu dei para eles durante três dias. Em casa, vi na internet que tinham feito isso [colocado geladeira na rua] na Holanda e na Arábia Saudita e resolvi fazer aqui também. Espero que seja a primeira de muitas, que outras pessoas vejam e façam o mesmo em outros lugares”.

O local onde a geladeira foi instalada é conhecido pela quantidade de moradores de rua e de usuários de drogas que perambulam por lá.

A intenção do empresário é despertar nas pessoas a consciência do quanto se é desperdiçado de comida por dia: “Nós jogamos fora quase um terço do que consumimos em um ano. Isso é muita coisa. Se tivermos noção de que outras pessoas que não tem nada precisam de alimento, talvez o desperdício seja menor“.

Quem tem fome não tem escolha

Desde que a geladeira solidária foi instalada o movimento tem sido grande. Muitos já foram beneficiados por esse simples gesto e contam que o período da noite é certamente o mais difícil para quem não tem um lar.

É também o período em que passam mais fome na maioria das vezes.

“As pessoas ficam com receio, não ajudam muito. Os lugares que têm comida e que nos ajudam já estão fechados”, conta Washington Gomes, de 43 anos. “A ideia é inovadora, melhor que dar dinheiro. Já me ajudou quando eu estava com fome. Comi uma pizza aí esses dias, estava muito boa”, completou.

O supérfluo para uns é fundamental para outros

Fernando não cuida da geladeira sozinho.

Outras pessoas se voluntariaram para cuidar do projeto, como é o caso de Raiany de Sousa, de 24 anos. A auxiliar administrativa conta que quando sai à noite, a geladeira está repleta de alimentos, mas quando chega pela manhã, está vazia.

Não há restrição de horários quanto ao uso da geladeira solidária. Ela está disponível 24 horas por dia, todos os dias da semana, mas é recolhida no final de semana. Raiany ainda contou que todos respeitam o projeto e que nunca encontrou nada inesperado dentro dela. 

Deixe seu comentário

0 comentários