Prefeitura marechal
busque por título

Brasil/Mundo

Só noticia boa

03/04/2020 às 10:24

Jogadores da NBA recuperados da covid-19 doam sangue para nova terapia

 

(Créditos de imagem: Divulgação )

Jogadores da NBA, que se recuperaram do COVID-19, estão doando plasma sanguíneo para tratar pacientes que ainda estão doentes. Eles vão participar de uma terapia experimental aprovada nos EUA.

Dias após a FDA – Agência de Alimentos e medicamentos dos EUA – aprovar o teste que usa plasma sanguíneo para tratar o coronavírus, os médicos do Methodist Hospital em Houston, Texas, se tornaram os primeiros do país a testar o tratamento em um pequeno grupo de pacientes infectados.

A terapia envolve a retirada de plasma sanguíneo de um indivíduo que acumulou imunidade ao vírus como resultado de sua recuperação.

Aí, o plasma repleto de anticorpos saudáveis que cresceram para combater o vírus é então injetado em um paciente doente, para que os anticorpos possam teoricamente atacar o vírus.

Atletas são ideais

Como os hospitais de todo o país estão procurando pacientes com COVID-19 recuperados, para doar plasma sanguíneo, os jogadores da NBA cooperaram com o Projeto Nacional de Plasma Convalescente COVID-19 (CCPP19) e serão doadores.

Michael Joyner, que é membro da equipe de liderança do projeto, disse à ABC News que quatro jogadores de basquete estão participando do programa.

Embora três dos jogadores ainda não tenham sido identificados, o guarda do Boston Celtics, Marcus Smart, confirmou à agência de notícias por meio de seu agente que está doando plasma sanguíneo após ter sido declarado livre de coronavírus pelo Departamento de Saúde de Massachusetts nesta semana.

Joyner aplaude os esforços de Smart como modelo para outros pacientes em recuperação com COVID-19 e diz que os atletas são candidatos ideais para o tratamento experimental.

“São homens grandes, com volumes sanguíneos e, como resultado, têm muito volume plasmático”, disse Joyner à ABC News.

“Frequentemente, as pessoas que são fisicamente treinadas também têm um aumento no volume plasmático do que seria de esperar deles serem homens de tamanho normal … Acreditamos que [o tratamento] pode modificar a doença e reduzir a duração e a gravidade em alguns pacientes”.

Doação

A NBA também doou US $ 100 mil – mais de R$ 526 mil – ao projeto CCPP19. 

Deixe seu comentário

0 comentários