busque por título

Emprego

Agência Alagoas

26/08/2020 às 07:32

Alagoas receberá a primeira fábrica de energético da Coca-Cola no Nordeste

Produção da bebida Monster faz do estado o principal polo produtor dos produtos do Grupo Solar no Norte-Nordeste 

(Créditos de imagem: Divulgação )

Com um portfólio diversificado de empreendimentos instalados nos últimos anos, o Estado de Alagoas será agora palco da primeira fábrica para produção do energético Monster do Nordeste. A conquista foi confirmada no último dia 14 de agosto, quando o empreendimento do Grupo Solar/Coca-Cola teve o pedido de prorrogação dos incentivos fiscais para inclusão de novo produto aprovado pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social (Conedes).
Além de ser a primeira indústria do energético na região, que abastecerá todo o Nordeste, a unidade de Alagoas também é a única do Norte-Nordeste a ofertar todos os produtos da linha do Grupo Solar, que inclui a venda de sucos, água, refrigerantes e chás gelados. Dessa forma, o estado será o principal polo da marca em todo o Norte-Nordeste.

Para esta nova ampliação produtiva, a empresa já havia anunciado um investimento adicional de mais R$ 25 milhões e a expectativa é que as operações já sem iniciadas em 2021, com a produção de um milhão de caixas anuais do tônico. Já para triênio de 2019-2020-2021, a previsão é que o grupo injete R$ 145,9 milhões na economia alagoana e alcance o acumulado de 1.149 empregos gerados desde a sua instalação no estado.

“Graças a uma política de incentivos extremamente arrojada, temos atraído o interesse de grandes empreendimentos para o nosso estado, como o Grupo Solar/Coca-Cola. A empresa tem sido uma parceira estratégica na nossa missão de assegurar o desenvolvimento econômico em Alagoas, expandindo continuamente seus investimentos e a oferta de postos de trabalho para a população. A produção do energético Monster nos coloca na posição de principal polo produtor dos produtos Coca-Cola do Norte-Nordeste”, enfatiza o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rafael Brito.  

Deixe seu comentário

0 comentários