Prefeitura marechal
busque por título

Marechal

Asscom

26/11/2019 às 13:17

Associação dos motoristas de Marechal Deodoro emite nota sobre a paralisação desta quarta

 

(Créditos de imagem: Divulgação )

A Associação dos Motoristas Complementares de Marechal Deodoro convoca toda a população de Alagoas e usuários dos transportes complementares do nosso Estado para aderir a paralisação dos serviços prestados nesta quarta-feira(27 de Novembro).

Lutamos pelo cumprimento da Lei Federal nº 13.885/2019 porque estamos respeitando todas as gratuidades para os idosos e portadores de necessidades especiais, é por isso que exigimos um transporte mais seguro, legalizado, combatendo sempre os que insistem em transitar de forma clandestina.

Contamos com a compreensão de toda a população alagoana, bem como os que utilizam frequentemente o transporte complementar em todas regiões da nossa querida Alagoas, para que não tenhamos no futuro breve, a falência do sistema integrado de transportes público legalizados, sem contar na possibilidade de vermos o sucateamento da nossa frota.

Pelo melhor atendimento aos que mais precisam dos nossos serviços, nos posicionamos a favor desta paralisação

Em nota o SINTACOMP escreveu


Transportadores Complementares anunciam 
paralisação nesta quarta-feira em todo o Estado

 

Categoria cobra a fiscalização dos poderes públicos no transporte clandestino de passageiros

 

O Sindicato dos Transportadores de Complementares de Alagoas (Sintrancomp) anunciou, nesta terça feira, 26 de novembro, que farão uma paralisação das atividades a partir das 6h de amanhã. Os serviços de transportes de passageiros serão interrompidos em protesto pela falta de fiscalização contra os clandestinos.

 Segundo o presidente da entidade, Maércio Ferreira, os transportadores complementares estão acumulando prejuízos diários. “Não é justo que nós complementares, que passamos por um rigoroso processo de licitação, pagamos taxa de fiscalização e seguro de passageiros, temos que competir com transportadores irregulares”, destaca.

Maércio Ferreira explica a necessidade de chamar a atenção das autoridades públicas para a devida fiscalização, uma vez que o número de clandestinos só aumenta. “Esses irregulares não têm compromisso com a população, atuam sem nenhum controle das autoridades e ainda não pagam impostos, enquanto nós complementares, cumprimos com várias obrigações, entre elas a manutenção de frota em feriados e finais de semana, passe livre e acesso para cadeirantes”, finaliza.

O movimento grevista está marcado pra se concentrar no Terminal Rodoviário de Maceió, localizado no bairro do Feitosa, e seguirá em carreata até o Palácio do Governo, Ministério Público Estadual, Tribunal de Justiça, Arsal (Agência Reguladora de Serviços Públicos) e Assembleia Legislativa. 

 

SERVIÇO

O que: Paralisação dos Transportes Complementares

Quando: 27 de novembro, às 6h

Onde: Terminal Rodoviário de Maceió

 

 

Assessoria de Imprensa SINTRANCOMP

Deixe seu comentário

2 comentários

  • Enviado em 27/11/2019

    Por Complementar

    Já imaginou pagar 5 mil reais de parcela de carro, abastecer o carro todos os dias de r$ 200 a 300, sem contar com troca de óleo, manutenção do carro, pagamento de motorista e cobrador e levar, só passageiros de carteirinha que pra nós não é passado nenhum valor dos tais? Como vamos sustentar nossa família, pense na barriga dos outros também senhora Rosilene, sei da dificuldade da senhora, mais seja humana pra olhar o outro lado também!

  • Enviado em 27/11/2019

    Por Maria Rosilene

    Será mesmo que vocês estao cumprindo a lei onde idosos e pessoas especiais pode viajar nos transportes complementares?Quando ultrapassa a quantidade de pessoas que tem alguma deficiência cobram a passagem,porém eles alegam que só (2) usuários com necessidades especiais ou idosos pode viajar se ultrapassar tem que pagar eu gostaria de saber a onde está essa lei?Sabe estou reclamando porque já paguei a passagem do meu filho que é autista e ele tem a carteira o passe livre porque já tinha (2) pessoas e jurei que não pego mais esses transportes com meu filho,fica aqui a minha indignação.