Prefeitura marechal
busque por título

Saúde

JN

27/10/2019 às 06:32

Óleo que se espalhou pelas praias do Nordeste pode causar irritações e alergias

 

(Créditos de imagem: The Intercept)

O tipo de óleo que se espalhou pelo litoral também pode causar irritações e alergias.

O óleo que desde setembro suja as praias do Nordeste deixa os moradores de Alagoas apreensivos. "Vi essas manchas de óleo aí e fiquei meio cismado, acho melhor não ir não", diz um morador. "Qualquer andada que a gente der, querendo ou não, mela os pés e fica uma mancha difícil de tirar”, conta um turista.

Quem não tem conhecimento algum para lidar com esse tipo de produto, tem se arriscado no banho e no trabalho voluntário de limpeza das praias sem nenhuma proteção.

“Os cuidados primeiramente é evitar o contato. Eu oriento a todos redobrar os cuidados para as crianças e gestantes e aquelas pessoas que tiveram o contato acidentalmente, procurar fazer a lavagem imediatamente com a água”, diz o alergista André Felipe.

Além de lavar com água corrente e sabão neutro, os médicos indicam óleo de cozinha para remover todo o piche.

Até quem caminha por praias que parecem estar limpas, corre o risco de pisar em óleo, sem perceber. Irritação na pele é só um dos sintomas que podem surgir.

Foi o que aconteceu com o piloto Estênio Ramos, que diz ter enfrentado um mal estar após ter pisado em manchas ao caminhar por uma praia: "eu senti uma fadiga, comecei a sentir uma náusea e uma irritação na garganta”.

Médicos confirmam que, em contato com a pele, o óleo pode provocar outros problemas. Os mais comuns são dermatites, como coceiras, irritações na pele, queimaduras, além de enjoos, dor de cabeça e tontura.

E mesmo quem usa equipamento de proteção individual para trabalhar na limpeza, não pode deixar de usar óculos.

"Ardor, coceira, fotofobia que é aversão à luz, se formar uma conjuntivite vai ter secreção, pode levar uma ceratite que é uma inflamação na córnea", afirma Karine Carvalho, oftalmologista.

Por enquanto, o Ministério da Saúde recomenda que os banhistas e os voluntários evitem o contato com o óleo. Ou que usem equipamentos de proteção. E se o contato ocorrer, que procurem atendimento médico e não usem solventes para retirar as manchas. 

Deixe seu comentário

0 comentários